Cartas de Casanova

Cartas de Casanova

avaliação dos leitores (3 comentários)
(3 comentários)
Formatos disponíveis
16,60€I
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
16,60€I
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IEm stock - Envio 24H
IPORTES GRÁTIS

SINOPSE

No verão de 1757, o aventureiro Giacomo Casanova, que se evadira pouco antes da prisão dos Piombi, em Veneza, desembarca em Lisboa.

O espetáculo das ruínas provocadas pelo terramoto ultrapassa tudo aquilo que ele podia imaginar. Durante seis semanas, Casanova faz os possíveis por entender os portugueses: como é possível que a vida dos habitantes da cidade se tenha acomodado a uma tal desorganização? Conhece o comerciante Ratton e o conde de S. Lourenço, o livreiro Reycend e o marquês de Alegrete, o poeta Correia Garção e a condessa de Pombeiro. E até se encontra com o misterioso marquês de X.

Chega finalmente à fala com Sebastião José de Carvalho e Melo, ainda não Oeiras, ainda não Pombal, a quem tenta vender o projeto de uma lotaria real. Exaspera-se e diverte-se, seduz e perde ao jogo, e encontra tempo para escrever seis cartas a cinco personagens importantes da sua vida. «Rien ne pourra faire que je ne me sois amusé» é a divisa que o guia. Mesmo em Lisboa. Mesmo depois do Grande Terramoto.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

O Casanova imaginado
Claudino Moura |2016-12-09
Todos os livros que li de António Mega Ferreira são bons. Este Cartas de Casanova é dos melhores, senão o melhor. A personagem romanesca espalha por Lisboa, e particularmente junto das senhoras, o seu charme. Aventuras várias, muitas considerações sobre o que vê (a cidade, as gentes, o terramoto, a corte, o marquês), e libertinagem comedida, ainda assim. Que as donzelas e não-tão-donzelas portuguesas não são as libertinas venezianas a que o personagem estaria habituado... Ser um romance epistolar, género tão em desuso, para não dizer esquecido, dá ao livro um charme adicional, de século XVIII, como se ainda nesse tempo nos encontrássemos.
Magnifico
José Augusto Nogueira Pinto |2014-09-14
Magnificas as seis cartas de Giancomo Casanova, com excelentes notas do autor António Mega Ferreira. É dos livros que acabam muito depressa tal a voracidade conferida à sua leitura. A vida diária em Lisboa no tempo do terramoto é contada de uma forma admirável. Adorei a teoria de Casanova referindo-se à origem dos terramotos. Muito boa esta obra. Fica, no entanto, a mágoa do autor prescindir de traduzir a “Histoire da ma vie”, escrita por Casanova, com refere no final do livro. Nestas circunstâncias, aguardo ansiosamente por novas cartas de Casanova.

DETALHES DO PRODUTO

Cartas de Casanova
ISBN:978-989-676-165-3
Edição/reimpressão:12-2017
Editor:Sextante Editora (chancela)
Código:07190
Idioma:Português
Dimensões:152 x 235 x 17 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:208
Tipo de Produto:Livro
Escritor, gestor e jornalista, António Mega Ferreira nasceu em Lisboa em 1949, estudou Direito e Comunicação Social, foi jornalista no Jornal Novo, Expresso e O Jornal, e na RTP, onde chefiou a redação da Informação do segundo canal. Foi chefe de redação do JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias. Fundou as revistas Ler e Oceanos. Chefiou a candidatura de Lisboa à Expo’98 e foi comissário executivo da Exposição Mundial. Foi presidente da Parque Expo, do Oceanário de Lisboa e da Atlântico, Pavilhão Multiusos. De 2006 a 2012 presidiu a Fundação Centro Cultural de Belém. Atualmente, desempenha as funções de diretor executivo da AMEC/Metropolitana. Tem mais de trinta obras publicadas, entre ficção, ensaio, poesia e crónicas. Em 2001 foi-lhe atribuído o Grande Prémio Camilo Castelo Branco pelo seu livro de contos A expressão dos afectos. As suas obras mais recentes são Hotel Locarno, Itália – Práticas de viagem (Sextante) e O Essencial sobre Dante Alighieri (INCM).
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK