2020-03-10

Saul Friedländer desvenda relação entre Pio XII e O Terceiro Reich

No momento em que foram abertos ao público os arquivos do Vaticano, Sextante Editora publica obra de referência

Partilhar:

Saul Friedländer, um dos mais prestigiados historiadores e investigadores da questão da Shoah, revelou ao mundo o fruto das suas pesquisas nos arquivos do Terceiro Reich, levantando pela primeira vez o véu sobre as ligações da Santa Sé à Alemanha nacional-socialista. Complementada por documentos originários dos arquivos norte-americanos e israelitas, essa documentação lança luz sobre alguns assuntos quentes: a atitude do Sumo Pontífice perante a questão polaca, a derrota da França, o ataque alemão contra a União Soviética, a entrada dos EUA na guerra e os crimes nazis, nomeadamente a exterminação dos judeus.

 

No momento da sua publicação, Pio XII e O Terceiro Reich suscitou uma avalanche de reações apaixonadas e contraditórias, impondo-se depois como um livro de referência. Quase meio século mais tarde, em 2009, quando o Vaticano tinha já posto em marcha o processo de beatificação e canonização de Pio XII, o autor reinterpretou todo este material à luz de novos dados, dando origem ao livro que agora publicamos. «Enquanto o texto inicial é reproduzido sem alterações, uma vez que apresenta, no essencial, documentos que continuam a ser importantes, é o posfácio que dá pleno significado a este volume», explica Friedländer no prólogo da obra.

 

A presente tradução portuguesa coincide com o momento em que, finalmente, foram abertos ao público, por decisão do Papa Francisco, os arquivos do Vaticano referentes ao papado de Pio XII.

 

O livro estará disponível nas livrarias a 12 de março.

 

O autor:

 

Saul Friedländer nasceu em Praga, em 1932. Professor na Universidade da Califórnia (UCLA), é mundialmente reconhecido como um dos maiores especialistas do Nazismo e do genocídio dos judeus, assunto a que consagrou numerosos livros, nomeadamente a monumental obra em dois volumes A Alemanha Nazi e os Judeus. Foi galardoado, em 2007, com o Prémio da Paz dos livreiros alemães, e com o Prémio Pulitzer, em 2008.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK