2017-10-03

O drone armado e o debate ético e jurídico na guerra ao terror são os temas do novo livro de José Sócrates

O mal que deploramos é lançado a 14 de outubro, no Porto

Partilhar:

A utilização do drone armado que permite matar à distância mudou a natureza da guerra e abriu um decisivo debate ético, jurídico e filosófico. Esta é uma das reflexões que José Sócrates propõe no seu novo livro, O mal que deploramos – O Drone, o Terror e os Assassinatos-Alvo. Como diz o autor, após quinze anos de uma guerra que ameaça tornar-se perpétua, e que como um cancro se expande surdamente, é necessário valorizar palavras como diálogo, negociação, compromisso: «Na verdade, numa guerra prolongada, a instigação da escalada de violência é tão forte que só com muita coragem se podem definir objetivos capazes de conter o extermínio. Nada deve ser feito na guerra que impeça fazer a paz.»

Este livro é publicado pela Sextante Editora no dia 9 de outubro e será apresentado numa sessão pública a 14 de outubro, sábado, pelas 16:00, no Hotel Crowne Plaza, no Porto.


SOBRE O LIVRO

Há qualquer coisa de intuitivamente menos decente em matar à distância. E, no entanto, tem sido esse o percurso histórico da guerra - matar cada vez de mais longe. O drone veio introduzir novas categorias nessa distância da guerra. A primeira é a distância entre o combatente e a arma letal no campo de batalha. Esta é a distância física que é hoje intermediada pelo vídeo em tempo real. […] A tecnologia "matou a distância que agora permite a morte à distância". Depois temos a distância vertical, símbolo da filiação desta guerra no poder aéreo, no bombardeamento, no ataque vindo de cima, que sempre pretendeu ser superior e agora pretende ser invulnerável. Finalmente, há essa distância íntima entre o operador e o ecrã, entre o piloto e a imagem da vítima no visor. E, todavia, nenhuma destas categorias teria grande valor sem a outra distância essencial à guerra, a distância moral, a distância que a guerra inevitavelmente cria entre os combatentes, a distância que desqualifica e despersonaliza o outro lado, o inimigo - a distância que introduz a lógica do aniquilamento própria da guerra: não são como nós, são monstros. Em cima, invisível e superior, o soldado justo; em baixo, ao longe e sem defesa, o terrorista, essa "forma inferior de vida".

O AUTOR

José Sócrates foi eleito, pela primeira vez, deputado em 1987. Foi secretário de estado, ministro-adjunto e ministro do Ambiente. Foi primeiro-ministro de 2005 a 2011. Foi secretário-geral do PS entre 2004 e 2011. É licenciado em Engenharia Civil. Fez o MBA no ISCTE e é mestre em Ciência Política por Sciences Po. É autor do livro A Confiança no Mundo – Sobre a tortura em democracia e O Dom Profano – Considerações sobre o carisma.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK